COMBUS substitui operadoras de transporte coletivo durante o período de obras na Cruz-Quebrada-Dafundo


O impedimento de circulação na Rua Sacadura Cabral decorrente das obras de reformulação que ali estão a ser realizadas obriga a que uma grande parte da população da Cruz Quebrada-Dafundo fique privada de oferta de transporte coletivo, durante o período em que estas decorrem. Neste sentido, com o objetivo colmatar a ausência de transportes coletivos no local, a Câmara Municipal de Oeiras decidiu alterar temporariamente o percurso do COMBUS, adequando-o para fazer face a estes constrangimentos.

Desta forma, durante o período das obras, o COMBUS passará a circular entre o final do Alto de Santa Catarina até ao Aquário Vasco da Gama, via Rua Joseph Black, sem qualquer paragem intermédia.
Esta alteração terá a duração de cerca de quatro semanas.

Recorde-se que, após uma paragem de quatro anos, o Combus, o serviço da Câmara Municipal de Oeiras que consiste na disponibilização de carreiras urbanas de transporte coletivo intra-freguesias de cariz social, servindo essencialmente a população idosa e desempregada, recomeçou a circular no passado dia 11 de junho, de modo experimental e com uma nova imagem, mais apelativa.
Este serviço, que visa assegurar as deslocações de curta distância no quotidiano cobre, no seu arranque, o percurso das freguesias de Algés, Linda-a-Velha e Cruz-Quebrada/Dafundo. Até junho do próximo ano deverá cobrir todas as freguesias do concelho.

Este serviço tem por objetivo colmatar lacunas dos oeirenses relativamente à rede de transportes públicos existente, nomeadamente ao nível do acesso a instituições e a serviços tais como mercados, centros de saúde, igrejas, farmácias e sedes de juntas de freguesia, entre outros.
Recorde-se que o Combus operava no concelho de Oeiras desde junho de 2007, numa parceria entre a CMO e a Vimeca Transportes – Viação Mecânica de Carnaxide, Lda.. No entanto, no mandato anterior foi suspenso (em 28 de fevereiro de 2014), o que motivou alguma contestação por parte dos munícipes, tendo mesmo sido feitas petições para trazê-lo de volta.
E porque em Oeiras em primeiro lugar estão as pessoas, o Combus está de volta e é gratuito na fase inicial, tendo depois um custo de 0.50 €.